carolina-dieckmann-posa-para-capa-da-revista-rolling-stone-brasil-de-janeiro-de-2012-1325684979527_1024x768

O Caso Carolina Dieckmann

 

Eu já imagino uma câmera me filmando… Dormi a manhã inteira e acordei na hora do almoço. Botei qualquer coisa que cobrisse as partes usualmente cobertas, peguei minhas chaves, celular, cartão e fui almoçar. Com que cara eu devo ter saído de casa, não sei. Certamente não penteei os cabelos, nunca penteio. É sério, minha cara devia estar um horror. Meu humor também estava. Que nem a minha cara. Precisando de mais horas de sono.

Fui ali naquele à quilo perto de casa. Comi minha comidinha. Fui comer minha sobremesazinha. Tinha uma senhora na fila. Mas você sabe, neh, balança de sobremesa é diferente. O quilo do feijão é mais barato do que o do chocolate. Assim como o tamanho e peso dos pratos são diferentes. Ninguém espera que você coma brigadeirão numa determinada quantidade que exija um prato grande de comida.

A senhora estava lá lerdando pra por o prato de comida na balança dos pratos grandes mais baratos e eu, que não estava lá pra muita molengagem, pus o meu de sobremesa rapidamente. Ela ficou olhando pra minha cara.

Dali, já me emputeci. “Eu hein, velha maluca! Tá me olhando por que? Você vai pesar comida, eu pesei sobremesa, balanças diferentes, não furei a fila. Porra… vai continuar me olhando, já num tô boa hoje!” Ela me seguiu com o olhar!!! E eu também não deixei barato, fui andando pra minha mesa, sentei e continuei o eye to eye. “Vai ficar me encarando, véia maluca? Vou ficar olhando também. Só paro quando ela parar” Sujeita metida. Eu. Fiquei olhando mesmo, pensando isso tudo e me coçando pra arrumar confusão. “É caflito?!” Sempre lembro do Didi Mocó nessas horas.

A senhora veio andando na minha direção. “Porra… o quê que essa maulca quer comigo? Ela tá vindo. Caraca! Ela tá vindo. Ferrô.” Quando chegou perto, abriu um sorriso e disse:

-Eu tava te olhando, neh? Sabe por quê? Porque te achei parecida com aquela menina da novela…

A essa altura a cara de brava já tinha se desfeito e o tom dos meus pensamentos também. “Fernanda, você é ridícula… já querendo arranjar confusão com uma velhinha fofa dessas. tsc tsc tsc.” Ela continuou:

- Sabe aquela menina? Ai, Jesus, cumé que é o nome dela mesmo… Você assiste novela?

-Na… não

- Aquela menina… Carolina Dieckmann! Você é a cara da Carolina Dieckmann!

Gaaaaargalhei altoooooo!!!

- Mas por um acaso a senhora já viu a Carolina Dieckmann acordando? Porque pra parecer com ela só assim!

Moral da história. Eu sou encrenqueira, a senhora era sem noção porém fofa e a Carolina Dieckmann é a minha cara. Autógrafos depois.

 

8

Comentários

  1. Ana C. disse:

    Acontece mesmo da gente se armar e ser surpreendida com uma coisa legal!
    Bem que te achei parecida c alguém… rsrsrsrs