O Nascimento de uma mulher Galinha

Aí, vc vê a vida… No primeiro namorado a gente está com a nossa doçura a todo vapor. O imbecil vai lá e faz merda. Lá se vai doçura pelo ralo. No segundo, você resiste um pouco a entrar na relação, não conseguiu ainda juntar os cacos da anterior, mas com um pouco de motivação, lá vai você entregar seu coraçãozinho de novo. Mais uma vez um palhaço de endereço diferente do anterior, mas de mesmo substrato, caga no pau. Mais doçura se esvai para puta que o pariu. No terceiro, você já chega de voadora, dando chinelada e o coitado, ainda coitado, não entende aquela agressividade toda. Com a motivação gerada pela tentativa de conquista de um novo território (é o que somos, mulheres, territórios), o cara te pertuba e você cede, se acostuma, acha que está amando de novo, “oh céus! ele é diferente!”. O que o infeliz faz? Desencadeia o monstro que estava cochilando em você. Como? Cagando no pau e em tudo mais que ele tem direito. Você? A essa altura já tem planos e mais planos de vingança. Chega de apanhar calada! Agora tu vai é bater! Doçura só a da barra de chocolate que você mata no auge da TPM. Mulher saudável é mulher vingativa! Então aí nasce uma mulher de fato grossa, amargurada, vingativa, que abusa dos homens e a sociedade machista a chama de piranha. Viu como é sempre bom saber da história antes de falar mal das pessoas? Explicado?

4

Comentários

  1. Paola Millen disse:

    Boa, muito boa! O foda é quando cê tá cansada de tanto apanhar e resolve bater, só que bate na pessoa errada. Foi o que aconteceu comigo, mas acabou dando certo, mas que o coitado não merecia apanhar (não daquele jeito), isso não merecia mesmo!