Matéria Globoesporte.com do dia 31/08/2011

Segue o Link da reportagem do globoesporte.com que saiu hoje. Na matéria trato meu treinador de corrida que também é atleta, com acupuntura e fisioterapia.
Obs: Não sou ex-remadora. Sou eternamente remadora.

http://globoesporte.globo.com/atletismo/corrida-de-rua/noticia/2011/08/corredor-procura-tratamento-com-eletroacupuntura-para-curar-lesao.html

Matéria globoesporte.globo.com 31/08/2011
Corredor procura tratamento com eletroacupuntura para curar lesão

Tarcísio Santana enfrenta desafios impostos por lesão levantando a cabeça, buscando auxílio de médicos e frequentando sessões de eletroacupuntura
Por Luisa Prochink Rio de Janeiro
Está na hora de mais uma consulta para Tarcísio Santana. A fisioterapeuta acupunturista Fernanda Ferreira pergunta como ele está, se as dores aumentaram ou diminuíram. O papo entre eles é acompanhado da preparação para mais uma sessão de tratamento. Tarcísio pratica há 15 anos triatlo e participa de diversas provas de corrida, mas, ano passado, uma lesão no tendão de Aquiles afastou o atleta amador do que ele mais gosta:
– O que estava me preocupando, me deixando chateado é que eu não estava podendo competir. Adoro triatlo, corrida, mas estou há um ano sem competir sério.

Tarcísio já está deitado enquanto Fernanda começa a espetar as agulhas no seu calcanhar, em volta dele e em outros pontos pelo corpo.
– Normalmente, quando a pessoa tem dores, isso gera um acúmulo de energia. Então, eu estou usando acupuntura clássica e, nos pontos ao redor da região que ele ta sentindo mais dor, estou usando a eletroacupuntura. Então, eu pego esses pontos de acupuntura e ligo uma corrente elétrica a eles – explica ela.
Tarcísio começou a sentir dores, mas, como melhoraram na sequência, ele seguiu com seus treinos. Ao chegar o inverno, as dores voltaram e ele começou o tratamento. De acordo com ele, sua experiência dentro do esporte, ouvir histórias de outras pessoas que se lesionaram e, também, o otimismo dos médicos e do fisioterapeuta foram importantes para levar adiante sua recuperação.

Fernanda treina corrida com ele, além de já ter sido remadora. Muito conectada ao mundo do esporte, a fisioterapeuta acupunturista defende o otimismo como ferramenta importante na recuperação do atleta.
- Com pacientes, em geral, eu tenho que ser bem positiva, até comigo mesmo. Até por que se o paciente chegar aqui pessimista diante do tratamento e da lesão dele e eu esmorecer também aí que não funciona. Então, eu sempre tento ser uma boa motivadora – diz Fernanda.
Tarcísio já teve dias mais difíceis, segundo ela, quando o atleta questionou o tratamento e até mesmo a possibilidade de não conseguir mais voltar a correr como antes. Fernanda manteve-se positiva, mas avisou a ele:
- Esse tipo de lesão é uma coisa que leva tempo, você vai ter que ter paciência, não vai precisar parar de fazer o que gosta. Se você abandonar o tratamento, mais tempo que você vai ficar sem fazer tudo o que quer.

Tarcísio seguiu o tratamento e já foram mais de 15 sessões de eletroacupuntura. Os pequenos choques pelo corpo, segundo Fernanda, ajudam a liberar substâncias químicas analgésicas e relaxantes musculares, dando uma sensação de conforto para a pessoa como um todo. Além disso, Fernanda diz que há estudos que comprovam que a eletroestimulação faz com que essas substâncias circulem pelo corpo durante uma ou duas horas após os choques.

Manter-se ativo: estratégia de motivação
Tarcísio conseguiu correr a Meia Maratona do Rio de Janeiro, dia 21/08, mesmo sem ter treinado muito para a prova. Sempre super ativo, foi difícil ficar parado e, durante o tratamento, Tarcísio continuou nadando, pedalando e dando alguns trotes com os alunos, mas, sempre, no limite da dor. Isto permitiu que ele mantivesse seu bom preparo físico e, também, segundo o psicólogo William Falcão, sua motivação.
William Falcão atua na área esportiva e explica que é comum o atleta desenvolver sentimentos negativos ao se lesionar. Ainda mais no caso de Tarcísio, que não só trabalha como professor de educação física e treinador, mas é um apaixonado por esporte. O psicólogo explica que seu trabalho é entender por quais estágios emocionais o atleta está passando e tentar conduzi-lo até o momento de aceitação. Assim, o importante é mantê-lo motivado, tanto para que ele continue obediente ao tratamento médico até o fim como para ele realizar ações que acelerem sua recuperação, dentre elas: comer melhor, alongamento, fortalecimento da região afetada, enfim, tudo que seja benéfico, sempre de acordo com os médicos.
- Além disso, é importante reconhecer que a prática esportiva inclui uma série de qualidades como força muscular, cardiorrespiratória, coordenação, técnica, etc. Atletas lesionados podem buscar alternativas para trabalharem outros aspectos importantes para sua performance sem agravar sua lesão. – finaliza William.

0