5877

O número final e inesquecível foi: 5877. Mas antes de chegar à importância dele, existiram marcadores tragicômicos. Nas semanas antecedentes ao número 5877, eu só pensava em 3 coisas: remo, um homem que eu não veria tão cedo e, por isso mesmo precisava fixar meu pensamento na primeira coisa, e chocolate branco Cookies n’Cream da Hersheys. Este último foi o verdadeiro responsável pela descoberta do número 5877. A tara e o fanatismo por este maldito chocolate beiravam uma doença e aquela TPM entraria para história se não fosse… 5877. Eu saía do treino e parava no posto para comer uma barra. Das enormes. Não queria saber de miserinha. Trabalhava, almoçava e, antes de treinar, passava de moto na Casa do Biscoito para comprar mais duas singelas barras. Enormes. Uma delas já ia sendo devorada na moto, colocava-a em posição estratégica dentro do bolso do casaco e ia enfiando pedaços de chocolate branco por dentro do capacete. Era uma cena deprimente, juro. Motoristas de outros carros me olhavam com espanto, nojo ou inveja. Acho que se eu cruzasse com alguém conhecido fingiria que estava tendo uma hipoglicemia e, por isso, aquela atitude grotesca para com o chocolatinho. A conta é simples: ingere-se mais do que gasta-se, engorda-se. Duas semanas após pesar 54,8kg para uma regata, lá estava eu com 57,5kg. Desculpas: TPM, retenção de líquido, chocolate branco filho de uma puta. Atitudes: cada dia de uma vez sem chocolate branco. Resultado uma semana depois: 58,4kg e nada de líquido calmante vermelho na minha calcinha. Conclusão 1: Fudeu. Conclusão 2: é a TPM mais sinistra e diabólica de todos os tempos. Foi aí que, para aliviar a tensão de “talvez”, “quem sabe”, “Deus não faria isso comigo”, resolvi fazer um teste de gravidez de farmácia. Ok, ia fazer, apesar de que era óbvio que eu não estava grávida. Fui lá, urinei no potinho, pus o papelzinho no pips e aguardei o resultado. Estava lá: “Uma linha azul negativo, duas linhas azuis positivo, aguarde 5 minutos para concluir o teste”. Demorô! 5 minutos e cuca fresca! Marquei no relógio e mergulhei a tirinha da sorte! Em 15 segundos, veja bem, 15 segundos, já apareciam duas linhas azuis. 15 segundos não prepara psicologicamente ninguém para ser mãe, um assédio moral! Não me alterei: “São 5 minutos, o jogo só acaba quando termina”. Vai que no final uma linha some? Acabaram os 5 minutos. Dei mais 2, sei lá, vai que… Teste positivo. Caminhei pelo meu corredor durante uns 10 minutos indo e voltando. “Durrrrr! Fernanda, você sabe que fez algo errado nesse teste, afinal você nem sente um bebê na barriga, claro que não está grávida! Seletiva de remo em duas semanas, ihá!” Pois bem, sentei-me intelectualmente na privada e fui ler a bula, fiz alguma merda que não foi a de ter transado sem camisinha e confiado na pílula do dia seguinte. Opção a: “Utilize a primeira urina da manhã”, eu estava fazendo às 15h; opção b: “perda de proteína na urina pode dar falso positivo”, comemorei. Pensei comigo: “Porrá! Proteína na Uriná! HMB, Whey Protein, Creatina, você quer o quê? Vai perder proteína na urina”. Mesmo convencida, decidi que a prova final seria a mais fidedigna, exame de sangue e o famoso BHCG. Pedi um pedido para minha médica desportista que não entendeu porra nenhuma. Passei o final de semana numa nice, como dizia minha avó, tomei umas brahmas black no domingo à noite e segunda de manhã me encaminhei ao laboratório. No panic! Sacaneei a enfermeira, brinquei com a minha amiga e só ia fazer aquilo porque sabia que a menstruação não estava descendo pela preocupação. O dia passou, trabalhei, treinei e fui pra casa para um amigo me tratar, pois estava com dores horríveis no braço e indigestão. Depois que ele foi embora, fui ver o resultado na internet. Óbvio que antes preparei meu caldeirão de macarrão com carne moída pra ser comido na panela, posto que economiza louça e saco. A fome era caótica. Empulerei-me na cama e abri o resultado pela internet. Eis que leio: BHCG 5877. Tá bom, você já entendeu, mas eu nunca tinha feito esse teste, não sabia o que esse número que soma 9 significava. Fui olhando sem entender os parâmetros, 1º trimestre valor x, 2º y, 3º z, não grávida 0. Oi?! Então se a mulher não estiver grávida é 0? Então, se eu tenho 5877 é positivo? “Durrrrrrrr! Você não está grávida, mulher! Relax! Liga pro médico”. Liguei, super calma, pro médico que uma semana antes estava a colocar um implante de progesterona de 1800 reais para eu não menstruar por 6 meses e com isso tratar meu ovário policístico. Ovário policístico esse causado por uma falta de sexo insalubre durante o ano todo de 2011. Liguei e disse: “Oi Dr, fiz um teste de gravidez, deu positivo, está errado, vamos repetir?”. O que é a negação de uma mulher, não é mesmo? Estava ali: 5877, porrraaaaa!!! Grávida, sua anta! Prenha, sua ignorante! Buxuda, idiota! O médico, na sua elegância, diz para repetirmos e me pergunta por que fiz. Respondo que estava engordando muito, fiz o teste de urina e deu positivo, mas fiz errado! Aí ele responde: “Teste de urina positivo? Meus parabéns, com teste de urina positivo e BHCG 5877, você está gravidíssima!”. Oi?! Silêncio no Morumbi, crise na Gávea, greve nos bancos. “Tá aí?”me pergunta o médico. “Tôoooo… tôoooo… Fudeu! Você não está entendendo!” Eu me acabava de chorar e, mesmo assim, não acreditava muito ainda que de HMB eu passaria pra ácido fólico e óleo de amêndoas. Em 8 meses eu seria mãe. Oi?! Tá bom… Pegadinha do malandro essa budega! Não… Não era… 5877 era coisa séria, seríssima! Enquanto me acabava de chorar por esses 5877, hoje, imagino que haviam mulheres chorando porque mais uma vez deu 0. 5877, devia ter jogado nesse número na época. Nunca vou me esquecer dele. Quanto ao resto, aprendi a lição: falta de sexo dá ovário policístico, sexo de tempos em tempos faz bebês (mesmo com pílulas, camisinhas e orações), chocolate branco engorda e teste de urina funciona. 5877 é positivo.

6

Comentários

  1. hahahh. Adoro seus textos Fernanda. Leio todos. Parabéns e agora é só curtir. rs