20130628-204133.jpg

Natação

Eu tinha tudo pra ser uma esportista.
Meu sonho era fazer ginástica olímpica. Fiz um pouco no colégio. Eu queria mais. Ainda pequena e asmástica pedi à minha mãe para ser um grilo pulante na aula de ginástica olímpica do Fluminense. Fui vetada com a justificativa de ser um esporte para pessoas tampinhas que ficariam tampinhas pra sempre e deformadas – como se eu fosse crescer muito depois daquilo ali.

Você vai fazer natação! – dizia minha mãe. Ela andava procurando soluções para minha asma – sou asmática que nem Che Guevara – e encontrou na natação uma saída. Saída pro desespero dela, pra mim aquilo era a coisa mais chata do mundo. Eu odiava natação com toda a minha força e a dos Cavaleiros de Jedi juntos. Primeiro, a água não era aquecida, sou friorenta. Segundo, eu era gordinha e ficava parecendo uma azeitona mutante naquele maiô verde. Terceiro, tinha que usar touca, imagina uma azeitona de touca. Quer sacanear um gordinho? Coloque nele uma touca para valorizar suas bochechas. Gente, o que era aquilo? Quarto, tinha que ficar uma hora com a cara enfiada na água. Que me perdoem os amantes da natação, chato pra dedéu! E quinto, detesto cloro. Minha primeira competição? Saí na raia 1 e cheguei na 6. Em último lugar. Natação? Não, muito obrigada. Vá abrir os brônquios de outro asmático e me deixe com meu nebulizador.

Por que estou falando disso? Porque hoje Bento teve sua primeira aula de natação. Minto. Ele já tinha feito 3 aulas antes, mas num lugar informal. E porque só estou escrevendo agora? Porque ele teve um fator especial: a tooooucaaa… A recepcionista fez nosso cadastro e largou aqueles dois pedaços de lycra coloridos dizendo:

- Uma pra você e uma pra ele.

Sorri e pensei “Jesus, back to the old times…”

Coloquei a touca no Bento. Eu gargalhava. As professoras me olhavam esquito da piscina. Provavelmente, especulavam que tipo de mãe babaca era aquela que ria da cara do próprio filho. Mal sabiam… Que eu ria era de mim mesma. Bento estava uma graça naquela touca, se você quer que um bebê gordinho fique a coisa mais absurda de suculenta, coloque uma touca. Sempre digo que a maior injustiça da minha vida é ter um bebê fofo em casa e não poder morder com força. Juro, se eu pudesse mastigaria Bento de touca de natação. Parte por parte. Será que eu também ficava comestível de touca aos 8 anos de idade?

De pronto, Bento engatinhou pra beira da piscina animado. Entramos e sua intimidade com a água era digna de Michal Phelps. Dava porradas com alegria molhando a cara das professoras. Entre uma brincadeira e outra, a professora o pegava, mas ele dificilmente tirava os olhos de mim. Sim, sou linda, magnânima e carrego nas tetas sua bebida favorita. Me perder de vista não é um bom sinal pra ele.

A aula foi o máximo. Bento aproveitou muito. E eu? Ah, eu esqueci a touca ridícula. Mãe nunca é ridícula. Esqueci e aproveitei muito. Se você queria ver uma pessoa abobada com um sorriso largo maior que o do Coringa, era só ter ido assistir a gente na natação. Eu estava completamente mongolóide de amor. Babando bonito pela minha cria. Minha baba transbordava a piscina. Bolhas de felicidade pipocavam em mim com qualquer gesto bobo que ele fazia. Quando me procurava com o olhar então, eu só faltava desmaiar de tanto amor. “Tô aqui, Bento!”- minha voz acalmava-o.

Saímos da piscina pro vestiário. No entra e sai do vestiário, vários “Ai que coisa mais linda”. eu estufava o peito, afinal, eu que fiz, eu que dou meu sumo pra esse sangue. Eu sentia um orgulho tão bom do meu pequeno boto cor de rosa nadador que parecia que ele tinha acabado de bater o recorde dos 5 metros rasos com bóias de braço.

Trocamos de roupa e fomos almoçar no Refeitório Orgânico. Aliás, o Guilhermão, dono do Refeitório, foi quem deu a aula de natação de presente pro Bento com direito a sopinha depois – Guilherme, melhor presente impossível!

Na volta pra casa, nem preciso dizer, a criança parecia o bonecão do posto murcho no banco de trás. A mãe dirigia alegre, calma e muda. Não precisou cantar as saias de filó da barata pra distrair a “quiança” até em casa. Ufa!

Terça que vem tem mais.

Phelps, se segura, Bento tá chegando!

14